Procura os assuntos que queres estudar na barra lateral do blog
publicado por ana | Sábado, 28 Março , 2009, 13:09

 

 
O Urbanismo Romano
 
A planta que aqui se apresenta é uma planta-tipo: não corresponde a nenhuma urbe em especial, mas respeita o conjunto de regras que o urbanismo romano foi desenvolvendo ao longo de mil anos de História.
 
                      Planta-modelo de uma cidade romana. Repara nas duas ruas mais largas e nas dimensões dos módulos que servem de medida a todas as construções
 
Como se pode observar, a urbs está rodeada de uma muralha (com torres de vigia) e tem planta rectangular. A cidade divide-se em módulos, separados entre si por ruas paralelas de dimensões iguais. Duas ruas, no entanto, têm dimensões maiores: o Cardo (sentido N-S) e o Decumanus (sentido E-O), desembocando cada uma delas nas quatro portas da cidade. No local em que estas duas ruas se cruzam fica o fórum e o mercado, ou seja: os espaços e edifícios mais importantes.
 
As dimensões dos módulos em que se divide a cidade determinam o tamanho dos espaços públicos. Assim, por exemplo, o mercado corresponde a um módulo. Apesar destas regras, ao longo do tempo surgiram construções tão grandes que as contrariam, sobretudo em Roma.
 
Corte das termas de Caracala. como podes ver, as termas são espaços onde os romanos podem encontrar tudo quanto precisam: escritórios; lojas, bibliotecas, restaurantes... (vê a imagem seguinte) ... e, obviamente, também as piscinas para os três banhos: "caldarium" (banho quente),  "tepidarium" (tépido) e frigidarium (frio). Naturalmente, não podiam faltar as salas para massagens!  Sabiam viver muito bem, estes romanos!
A monumentalidade e a utilidade são as características essenciais das construções romanas. Ficam aqui alguns exemplos disso (coloca o rato sobre a imagem para leres mais informações).
 
             A ponte romana de Chaves foi mandada construir pelo imperador Trajano, no final do séc. I / início do séc. II. Mede cerca de 150m e tem 12 arcos. Fotografia da C.M Chaves
 
               Arco de Sétimo Severo: construído em 203 para comemorar o décimo aniversário da subida ao trono deste imperador. Os baixos-relevos contam as suas vitórias na Pártia (Pérsia:Irão e Iraque) e na Arábia. O texto da dedicatória destinava-se aos filhos do imperador, Caracala e Geta, mas quando Caracala se tornou imperador mandou apagar o nome do irmão.
              A coluna de Trajano foi erigida em Roma em 113, para celebrar as vitórias do imperador na Dácia. Mede 30m de altura e no cimo foi colocada uma estátua enorme do imperador. Dento do pedestal em que assenta a coluna estão as cinzas do próprio Trajano.             Pormenor da coluna de Trajano. Cada uma das bandas mede cerca de 1,30m. (Ambas as fotografias foram retiradas da Internet)
Na página maquettes historiques podes divertir-te a ver reconstituições de Roma antiga. É uma página em francês, mas as imagens são magníficas.


Responde, agora, aos seguintes exercícios:
 
1 – A quantos módulos corresponde cada um dos espaços mencionados na planta?
 
2– Qual a utilidade de construções como os arcos do triunfo e as colunas triunfais?
Assuntos do blog:

mais sobre mim
pesquisar neste blog